Os 10 Piores Muscle Cars

Tirem as crianças da frente do computador! Em janeiro de 1990, o jornalista da revista MUSCLECAR, Jim Campisano, elegeu os 10 piores carros do gênero. Tecnicamente falando, não se tratam mais de Muscle Cars, são modelos que usaram os mesmos emblemas, mas sem os requisitos para os credencia-los como tal.. Com muito humor, Jim expõe, na verdade, o que aconteceu com os carros esportivos americanos, depois da verdadeira era Muscle Car. Como ele bem explica “São 10 exemplos do porquê americanos dirigem carros japoneses hoje em dia”. Se os anos 60, e começo dos 70, foram o auge , o que viria a seguir seriam os tempos mais sombrios da indústria americana de automóveis. Os scans da matéria (em inglês) você pode ler aqui, aqui, aqui e aqui.

Ford Mustang Cobra 1978.

Ford Mustang II Cobra II 1976-78 ou King Cobra 1978: Segundo Jim, esses Ford Pintos disfarçados de Mustang com faixas do GT 350 afundaram o nome “Cobra’ na lama. Esses carros não andavam, muito menos controlavam. O seu interior era inadequado para um carro esportivo. Para o jornalista, esses Mustangs II disputavam com os Pontiac Trans AM quem tinham as maiores e piores decalques.

Pontiac Turbo 301 Trans Am 1980-81.

Pontiac Turbo 301 Trans Am 1980-81: Os carros da era Disco foram marcados pelo excesso de peso e motores fracos. Com os Trans Am não foi diferente. Ao invés da imponente Fênix no capô, ‘Galinha Gritando’  foi o apelido jocoso dado pelos americanos. Para Jim, esses modelos do começo da década de 80 deveriam ter um porco. Eram 1.800 quilos, (400 deles só em decalques). Segundo Jim, esses carros poderiam ser superados por qualquer Taxi Mopar com um 318.

Corvette 1980.

Corvette 305 1980 (Vendido somente na California): “Ainda bem” disse Jim ao fato desse Corvette ter sido vendido somente naquele Estado americano. Graças a lei de emissões do Estado, o V8 350 foi reduzido para 305 polegadas cúbicas e 180 hp. Para Jim, Deus puniu os californianos por lançar modas demais, advogados e todo o resto. Os demais Estados americanos poderiam comprar o ainda decente L82. Segundo Jim,  este Corvette marca o fundo do poço da indústria americana.

Pontiac GTO 1974

Pontiac GTO 1974: O carro símbolo da era Muscle Car, para aquele ano, apareceria sem a força e o charme de antes. O GTO 74 era Chevy Nova cheio de boas intenções, como a redução de peso para melhorar a performance. Mas para Jim lembra que a estrada para o inferno é feita de boas intenções. Há quem argumente “Não era tão ruim assim”, mas o jornalista rebate usando o GTO dez anos mais antigo como exemplo. “Será que alguem teria feio uma música ou nomeado um perfume em referência ao GTo 1974? Sem chance!”.

Plymouth Volare Road Runner (acima) e Super Coupe (abaixo) 1978.

Plymouth Volare Road Runner / Dodge Aspen R/T Super Coupe 1976-80: Para Jim, estes são um dos piores do grupo. Assustador, para o jornalista (pra qualquer um, imagino), que cinco anos antes, 440 e Hemis equipavam estes sobrenomes. Estes modelos resumem o que foram aqueles anos,  um festival de spoilers estranhos, excesso de peso, motores fracos e decalques de gosto duvidoso.

Dodge Charger Daytona 1976-77.

Dodge Charger Daytona 1976-77: “A única semelhança com os Daytonas 1969 é o nome”, sentencia Campisano. Basicamente eram Dodge Cordobas de dois tons com um esquema de pintura horrendo. Os motores eram os 318, 360 e 400, dos quais, nenhum era capaz de empurrar esse mastodonte obeso para qualquer coisa que lembrasse velocidade. Não havia opção de câmbio manual.

Mercury Montego GT 1972.

Mercury Montego GT 1972: A Mercury não era exatamente lembrada pelos seus carros de performance, salvo algumas excessões, como as versões do Cougar e Cyclone. Em 1972 a divisão da Ford colocou uma frente estilo Mark IV no seu modelo médio e lhe arrancou o máximo de potência que pode. O inadequado V8 302 era o motor padrão, mas havia ainda as opções do 351, 400 e 429. “Dali em diante, as palavras “Mercury” e “Desempenho” nunca mais seriam usadas na mesma frase”, disparou Jim.

AMC AMX 1979.

AMC AMX 1979: “Gremlin Mutante” é só mais um dos ‘elogios’ de Jim ao carrinho da extinta American Motors.  O motor básico, nem V8 era. Um 6 cilindros com 256 polegadas cúbicas e parcos 110 hp. Não que o oito cindros 304 fosse muito melhor, essa opção entregava incríveis 125 hp.  O quarto de milha ficava na casa dos 17 para ambos. O jornalista diz: “Com esses tempos, eu poderia andar pela pista mais rápido e parecer menos constrangedor”. Para sorte da AMC o AMX que ficou na memória foram os dos começo da década.

Chevrolet Camaro Rally 1976.

Chevrolet Camaro Rally 1976-80: Este Camaro era tão lento que uma revista especializada, após o teste dos 400m, voltou para a concessionária achando que o carro tinha algum problema. No entando, mais tarde foi diagnosticado o problema: Os 155hp do V8 small block. Outro foguete de 17 segundos no quarto de milha.

Ford Maverick Stallion 1976.

Ford Maverick Stallion 1976: Mais um exemplo da péssima relação peso x potência que assolava Detroit em meados dos anos 70. Por incrível que pareça, essa versão “esportiva” do Maverick americano era mais fraca que o Nacional, com apenas 138 hp. O esquema de pinturas e decalques era, no mínimo, polêmico. Para o jornalista, o carro teve uma “boa e merecida morte em 1977”.

Oldsmobile 442 1978.

Oldsmobile 442 1978-79: E uma menção honrosa (ou desonrosa) vai para este carro, que é difícil de se acreditar que alguém, lúcido, teve a coragem de chamar de 442. “Os mais espertos se mantiveram longe das concessionárias Oldsmobile e restauraram os 442 dos anos 60 e começo dos 70”.

18 comentários Adicione o seu

  1. Nik disse:

    KKKKK! Olha, você foi duro, duro de mais. Mas justo.
    Mas, só me doeu foi ouvir as verdades ditas sobre o Trans AM. Realmente, não era um muscle. Mas, é o carro do BANDIT! E isso é o bastante para perdoarmos todos os defeitos da época. Ou não?😉

  2. Nik disse:

    Ih, me esqueci de falar do Camaro! Meu, peraí, dese jeito não sobra nada! Veja bem, não quero que seu julgamento seja parcial, mas sobre os Camaros e Pontiacs você podia ter, sei lá, esquecido de comentar!
    Tadinhos dos Camaros….😉

    1. Poxa Nik,

      Eu só meio que reproduzi a opinião do jornalista, embora concorde com quase 100% do que ele disse. rs É preciso situar bem, pois, quando ele escreveu a matéria, todos esses carros eram apenas carros usados, com 12-16 anos de idade. Hoje em dia, mesmo pesando todos seus “contras” são peças importantes da história e nunca gostaria de vê-los destruídos ou apodrecendo em um ferro-velho. mas que é engraçado o que ele disse, isso é! rs

      Grande abraço!

  3. Nik disse:

    Mas eu concordo! Ontem um traste hoje item de colecao. O que sera daqui 20 anos???? A fila vai continuar andando para os anos 90???? Cada lixo que vai aparecer…. nem quero ver.
    Abraco!!!!!

    1. Curiosa essa equação que você falou, quanto, feio e indesejável, mais colecionável fica com o tempo. Mas acredito que alguns modelos, principalmente dessa era “disco” nunca serão o novo “Ford Edsel”, mesmo tendo todos os requisitos. Por exemplo, esse Olds “442” 78 tem muito potencial para se tornar colecionável pela curiosidade, por ostentar o nome da lenda e tal, mas e a versão comum e não esportiva desse carrinho horrível? Quem vai querer? rs

  4. Nik disse:

    Ah as empresas de cenografia, para filmes, seriados e eventos. E os duros, como eu, que comprarão enquanto não podem comprar um clássico de verdade!🙂
    É aquela coisa: a história contece pela primeira vez como tragédia e se repete como farsa. Enquanto restar um Corvette 63 Split Window no mundo, ele será o fiel da balança de todos os outros Corvettes, e por aí será definido o mercado. Fora isso, é forçar barra, o tempo não anda pra trás.
    Sobre filmes, revi outro dia Missisipi em Chamas do Alan Parker, com Gene Hackman. Bicho, já viu? Que carros são aqueles???????? Até Chevrolet 210 têm! Impecável em todos os aspectos, obra prima.

    1. Disse tudo Nik, também achei curiosa a reação de um fã da página do PC, que queria todos esses carros na garagem. Quem não queria? rs É tudo uma questão de parâmetros. Se formos comparar com o que era oferecido na mesma época ou até hoje, lá e aqui, talvez eu preferisse um Camaro 1976, mesmo seu o seu V8 enfraquecido a um Opala de quatro cilindros (Que o meu não me ouça). Mas pra quem viveu e viu houver um Copos, Baldwins ou Yenkos, deve ter sido melancólico.

      Quanto ao filme, já sim, filmaço! Gene Hackman e William DeFoe caçando rednecks num Impala 64. Fora que a história é sensacional. Essa lembrança me fez consultar o IMCDB pra relembrar: http://www.imcdb.org/movie.php?id=95647 É só carrão mesmo. Fico imaginando a equipe de produção caçando essas barcas para montar os sets… Imaginei isso enquanto assistia Capitão América. Aliás, ver os veículos era mais interessante que o filme em si…rs

      Abs!

  5. Mateus Luiz disse:

    E realmente, mas pode-se dizer que eles são melhores que muitos carros nacionais.Como o Fiesta 2006 do meu pai, 1.0 com 66 cv, perto de V8 de apenas 138 cv, como o Maverick, ele é humilhado, e o acabamento é péssimo, em vez de rodas de liga, calotas de plastico, como o nome do blog parachoques cromados, em vez disso, plastico, e nos volantes?em vez de um lindo volante de madeira ou metal (ou até os dois), plástico do mais vagabundo, em que depois de duas curvas já esfarela a pintura do plástico.Mas pode ser que pra era do ouro seja meio que “fraco”, mas mesmo assim, como você disse Daniel, de jeito nenhum esses carros devem ser maltratados, devem ser preservados, meu sonho é poder ter uma coleção de carros antigos, independente do ano ou potencia, se puder colocar placa preta eu sonho com ele!
    Abraços Daniel. E o Jeremias?como vai, você fez algo a mais nele ou não?Abraços pro Jeremias também!

    1. É uma questão de parâmetros. O dos americanos é outro. Cinco anos antes do aparecimento desses carros, eles viviam o auge de sua indústria. Fica difícil comparar. Mas ainda assim, esses carros, mesmos com seus supostos defeitos, são muito interessantes.

      A minha namorada tem um Fiesta 1.0 2009 e você tem razão, não é nenhum Bentley em acabamento, mas eu acho divertido dirigi-lo. Como aprendi a dirigir no Jeremias, qualquer carro moderno parece brincadeira de criança. rs O problema do Fiesta é o motor muito fraco pro porte dele. Quando foi concebido na Europa, não se pensava que ele iria ter um motor menor que 1.4, mas a Ford do Brasil fez esse “favor”. Mas é um carrinho bom, dentro de sua proposta.

      Quanto ao Jeremias, estou pensando no que vou fazer agora. A minha vontade era restaurar o motor e seus componentes. Pintar o cofre, trocar as peças usadas e deixá-lo como novo. Também quero restaurar os vidros e parte do interior dele. Mas querer é uma coisa, já executar…

      Abraço.

  6. Jander disse:

    mateus tem razão são melhores que muitos carros atuais do Brasil mas cara tem muito carro ai que eu não conhecia tipo essa vesão do maverick e olha que eu sou um grande fã do maveco e o meu muscle car nacional favorito, esse camaro rally pela pintura lembra um pouco o corcel II gt so na pintura,os firebirds trans am são carros que eu gosto muito apezar de não terem a potencia que mereciam ter mas adorei eles nos filmes do bandit ,e esse modelo do corvette eu gosto mas sempre tenho duvida se chamo os corvettes de muscle cars ou esportivos, mas os americanos ate quando erram fazem carros aceitaveis e alguns casos carros ate bacanas de se ter caso dos trans am e daquele oldsmobile rally que voce ja postou aqui enfim ficou muito legal a postagem abraços Daniel,e manda novidades do Jeremias,abraço.

    1. É Jander, haviam alguns modelos interessantes de Maverick lá fora. Teve até uma versão patriótica em alusão as olimpíadas de 1972 que faria o Capitão América feliz. rs Olha o bichão aqui: http://www.maverickcometclub.org/pics/mav1972sprint.jpg

      O Trans Am 1980-81 são bonitos, ouso dizer que até mais que os 78-79, mas, mais uma vez, o parâmetros deles eram outros. Os carros passaram do modo ‘performance’ para o ‘passeio’. Mas nada que uma preparação leve resolva, já que a maioria desses carros eram equipados com o V8 350, o motor mais fabricado dos EUA e, por essa razão, mais barato para se mexer.

      No comentário acima, pro Mateus, escrevi sobre o Jeremias, Quero mexer na parte mecânica dele, principalmente motor.

      Abraço!

  7. Se compararmos com os Muscles de 10 anos antes, estes carros são verdadeiros jabutis, concordo, mas mesmo assim é uma vergonha que em pleno século XXI não seja produzido em território nacional quase nenhum carro que seja um “foguete de 17 segundos” exceção feita ao Fiat Punto T-Jet. Outros países emergentes como México, ou recém admitidos no primeiro mundo como a Coreia do Sul tem carros melhores para apresentar.

  8. Paullo disse:

    Conheci o site agora e estou adorando tanto essa lista dos 10 piores muscle cars da historia como tambem adorei a dos 10 muscle cars mais valorizados. E é curioso ver que mesmo com a fama de produzir e consumir carros pequenos o Brasil no fim dos anos 70 tinha mais muscle cars com ´´pedigre´´ do que o proprio Estados Unidos…Ou vem dizer q nossos Maverick gt , Opala 250s e Dodges Charger e Magnum nao tinham mais desempenhos do que muitos desses ai e de mais algum do mercado americano?…Continuem assim o site é otimo, chega a ser uma viagem no tempo ler as materias…Abraçao…

    1. OLá Paullo,

      Antes de mais nada, obrigado pela visita e elogios.
      Sim, alguns dos “Disco Cruisers” (nome dado aos carros lentos da era disco) tinham desempenho similar ou pior que os “nossos”.
      Mas a indústria americana de automóveis e peças é tão gigantesca que, facilmente você poderia (naqueles tempos), na garagem da sua própria casa, melhorar a performance desses carros com um investimento módico. Já por aqui…

      Abraço!

  9. adriano junior disse:

    e ai daniel,sobre o dodge charger;ambos o nacional quanto o modelo americano 68-70 foram montados nas plataformas b body correto?quais as principais diferenças,e vc acha possivel remodelar o nacional usando essas peças9 paineis) ” aftermarket”

  10. Alexandre Badolato disse:

    Na minha opinião um típico post de jornalista mal humorado querendo aparecer destilando a acidez e criticando sem contexto.

    O mundo era outro, a gasolina havia multiplicado de preço. Esses carros, a que pesem terem muito menos potência, mantiveram viva a chama do conceito Muscle car …

    Acho ridículo o cara criticar um modelo simplesmente o comparando com o outro … Tipo o GTO 74 é uma merda pois o 64 é muito mais legal … Eu preferia ter os dois ! O 64 é mais legal ? Lógico que é ! Mas o 74 é legal também …. Estamos falando de motores V8, com ronco de V8, Torque em baixa de V8 , mas amarrados (normalmente pela alimentação e cabeçotes) por conta da crise do petróleo ….

    E o visual é moda … O que é moda hoje, pode não ser mais amanha … E voltar depois de amanha … Os Daytona 69 era motivo de risos dos anos 70 ! E hoje é motivo de dor de barriga, de tanta vontade de ter um.

    Eu tenho 2 destes 10 “piores” da lista na minha coleção. E curiosamente estão entre os carros que eu mais gosto.

    Um dos que tenho é o Plymouth Super Coupe 78. Um puta carro, na mão, freia muito bem, faz curva pra caramba, com um 360 meio manso, mas que leva muito bem o carrinho. Se for comparar com outro carro da minha coleção, um Plymouth Road Runner 70 383 (esse sim um legitimo Muscle car para o nosso esperto repórter), o Super Coupe é melhor de andar e, numa rodovia como a Anhanguera talvez daria um pau no roadrunner … Afinal para andar bem não basta acelerar, tem que brecar, fazer curvas, retomar …

    Ja outro que tenho na coleção é um Pontiac TurboTrans Am 81. Esse é uma delicia. Anda mais que o Super Coupe (empiricamente testado .. Rsss) e é muito na mão também, além de ser lindo na minha modesta opinião.

    Acredito que o jornalista deva ter feito a matéria lendo fichas técnicas (ou jogando super trunfo), e que nunca deva ter andado nestes carros … Ou é chato por natureza mesmo … Kkk

    Abraços,

    Badolato

  11. Alexandre Badolato disse:

    Agora que vi os scans da matéria original. É de 1990 ! Ja mudou bem a visão sobre a maioria destes carros nos últimos 23 anos …. Achei que fosse coisa atual ….

  12. Igor disse:

    A matéria é um pouco dura com os carros mas…
    Eu achei todos muito legais (exceto o Olds 442), e quanto a potencia, tudo será um foguete perto do meu Fusca 1500!!

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s