Christine Fun Facts

"Como matar algo que não poderia estar vivo?" Dizia o cartaz filme.

A década de 80, se não foi memorável para a indústria automobilística estadunidesne, foi o auge para outro ramo, o da produção cinematográfica de filmes de horror. O gênero era capitaneado pelos livros de Stephen King e produções para a telona de John Carpenter. Quando os dois se juntaram, surgiu uma das produções mais emblemáticas, que se não fosse muito bem feita, correria o risco de virar um filme B.

O Plymouth Fury / Belvedere tem um visual assustador sobre qualquer ângulo.

Christine, (1983) é a história de um Plymouth Fury 4 portas 1958 amaldiçoado desde sua fabricação que, com suas vibrações negativas e personalidade maligna, acaba por selar o destino de seus proprietários, no filme um estudante colegial. Interessantes são as diferenças que, como toda obra literária que é transformada em filme, acabam acontecendo. King, autor do livro, ao que parece, não era um grande conhecedor de automóveis. Já Carpenter, diretor do filme, fez adaptações interessantes na trama e no casting de automóveis, sem tirar a essência da história.

Fury ou Belvedere disfarçado?

A principal dessas “adaptações”, na verdade, não havia muito o que ser feito. No livro, King descrevia o Fury como um quatro portas, o problema é que, naquele ano, só haviam Plymouth Furys duas portas e assim que ele é retratado no filme. Outro detalhe é a cor vermelha, que também não era oferecida. Talvez, “licenças poéticas” para mostrar como o veículo era único.

Outro detalhe interessante é que os Furys são uma versão mais esportiva do Belvedere e, portanto mais rara. A solução para as filmagens foi transformar Belvederes em Fury (haviam pequenas diferenças de acabamento entre uma versão e outra). Foram produzidos apenas 5.300 Plymouth Furys naquele ano.

Os fãs do modelo se enfureceram com o lançamento do filme pois, durante as filmagens, cerca de 25 modelos foram usados e, a maioria deles, acabaram destruídos. No entanto, graças a popularidade da fita, muitos Plymouth Furys e Belvederes foram salvos da eterna ferrugem.

Plymouth Duster 1975: Preterido pelo Carpenter.

As demais diferenças automobilísticas estão nos carros usados pelas personagens. Dennys Guilder, amigo do personagem central do filme – Arnie Cunningham – no livro, dirige um Plymouth Duster 1975. Já na telona, um belo Dodge Charger 1968 azul.

Dodge Charger 1968: O escolhido (sempre ele) para a versão cinematográfica.

Buddy Repperton, um dos bullies de Arnie no colégio, no livro é dono de um Camaro “com dois anos de idade e marcas de alguns capotamentos”. Lembrando que a história se passa em 1977, pode se deduzir que se trata de um modelo 1975.

Camaro 1975: Outro que não foi aprovado para o papel.

No filme, Buddy dirige um Camaro 1967 intacto.

Camaro 1967: Conseguiu o papel e a Ira de Christine.

Por fim, o dono da oficina onde Christine é restaurada, Darnell, na obra literária dirige um Chrysler Imperial 1966 enquanto que no filme é um Cadillac Coupe DeVille 1974.

Cadillac Coupe Deville 1974: Discreta aparição, apenas como um 'extra'.
Chrysler Imperial 1966: Também ficou de fora. Seu visual é tão diabólico quanto o de Christine.

Há um rumor de que haverá um re-filmagem desse clássico para 2011. Seria interessante tentar fazer algo mais próximo ao livro que, apesar de alguns equívocos, tem detalhes mais sombrios. Enquanto os boatos não se concretizarem, vale a pena ver ou rever, caso não tenha assistido, Christine – O Carro Assasino.

Anúncios

17 comentários Adicione o seu

  1. Danillo disse:

    Ótima lembrança, Daniel. Recordo-me de quando fui buscar a bendita fita na locadora para assistir o filme.
    Uma re-filmagem seria muito interessante, acredito que viria algo melhor, sem a imagem de filme de sessão da tarde.

    1. Eu lembro que assisti a primeira vez no final dos anos 80, ainda criança, se não me engano, na Bandeirantes. O que me preocupa nessas refilmagens é quando eles miram o público adolescente e acabam estragando a história.

  2. Ricardo disse:

    Vira e mexe esse filme ainda passa na TV paga, e eu sempre assisto.

    1. Faz um tempo que não assisto, quero assistir de novo.

  3. grapiglia disse:

    putz,nunca assisti mew,vo i agora pega pra ve 😀

  4. grapiglia disse:

    bah,não sei como nunca assisti esse filme,vo i agora pega pra ve 😀

    1. Demorô Grap,

      Depois diga o que você achou.

  5. grapiglia disse:

    putz,comentei 2 vez,é que disse que tinha dado problema,desculpa ai

  6. Priscila Lopes disse:

    Dani, parabéns por mais um texto. Acho que mais do que jornalista você é um historiador, que vive nos trazendo conhecimento e curiosidades deste fantástico mundo dos automóveis.

    Bjos e continue assim!

    1. Pri,

      Obrigado pelas palavras. Jornalista eu sou no papel, que alguém já disse que ‘aceita tudo’…rs

      Beijos

  7. ccrotti disse:

    Este filme é demais ! O problema de uma refilmagem, principalmente para os apreciadores de tempos passados, é a produção do filme transformar o clássico em algo muito moderno ! Quando fiquei sabendo que iriam fazer um filme baseado no desenho do Speed Racer, fiquei muito emocionado ! E quando assisti o filme, tive vontade de chorar, pois não tinha nada a ver com o desenho !
    Neste caso é capaz da Christine se transformar numa Ferrari 458 !
    Belo texto !
    Abraço

    1. Crotti,

      Obrigado pela visita. Você está certo em ficar com todos os pés atrás em relação as refilmagens. Não consigo me lembrar de uma que tenha feito justiça a original. Se for mais uma daquelas fitas para arrastar adolescentes barulhentos para o cinema, prefiro que nem façam uma.

      Abs.

  8. MICKEY MOUSE disse:

    Este filme é muito SHOW. Tenho ainda o VHS, agora o DVD e as miniaturas deste filme…

  9. Suênio disse:

    falta só o segundo filme com a tecnologia de hoje sem duvidas ficaria show…

  10. David disse:

    A clássicos que não precisam de refilmagem, e quando o fazem estragam a historia!!!!! assisti pequeno me lembro muito dos comercias no SBT!!!!!

  11. marcos disse:

    show de bola ,que saudades deste filme,vale a pena rever novamente….

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s