Dodge Challenger R/T 1971 “Mr. Norm”

Fotos: Darin Schnabel.

Mr. Norm está para a Chrysler assim como Shelby está pra Ford ou Yenko para Chevrolet. Possuia uma concessionária em Chicago chamada Grand Spaulding Dodge, que ficou conhecida por todo os Estados Unidos graças as modificações que promovia nos já bem apimentados . O exemplo acima é mais uma das obras de Mr. Norm. Em 1971 o cerco já estava bem fechado para os carros de alta cilindrada cúbica e, aquele ano, marca o fim dos Hemi. Por essas razões, os modelos 1971 da Chrysler, que são equipados com o elefante laranja, são muito bem valorizados hoje em dia, chegando a marca dos quatro dígitos.

Chevrolet Corvette Baldwin Motion 1968

Em julho desse ano, falei aqui sobre a Baldwin Motion, uma concessionária Chevrolet que, entre 1968 e 1973, aprimorava a performance dos carros da marca da gravata. Só para relembrá-los, a revendedora, embora pouco conhecida como Shelby, Yenko e Mr. Norm, construiu alguns dos Muscle Cars mais poderosos que já rodaram no planeta. A fórmula era a mesma, colocar o maior motor disponível da GM em quase todos os carros da montadora.

Entre Novas, Camaros, Byscanes e Chevelles não poderia estar de fora o esportivo símbolo da Chevrolet, o Corvette. As modificações feitas pela Baldwin Motion não se limitavam a performance, a estética dos carros também era muito peculiar.

A começar com a pintura, onde faixas  tomam toda a traseira, lateral e capô. Os modelos contavam ainda com um Scoop e Escapes bem encorpados com saídas laterais. No caso do Corvette, havia uma mudança mais drástica, os característicos faróis escamoteáveis eram substituídos por outros no estilo “túnel”, semelhante aos carros europeus da época e do “nosso” Puma.

O modelo das fotos está a venda e é um dos primeiros fabricados. Está equipado o pacote Phase III, que além do V8 427, tinha como opção o 454 (7.4L)  com mais de 500 hp. O preço? US$ 139.900. Os três dígitos no preço deve-se as poucas unidades fabricadas. Segundo o site que o anuncia, a RK Motors, foram apenas 10 unidades.

Os Incríveis Chevys Baldwin-Motion

Chevrolet Camaro 1970 Baldwin-Motion Phase III: 7.4 litros e 500 hp.

Pros fãs de incondicionais de Muscle Cars, nomes como Shelby, Don Yenko e Mr. Norm são sinônimos incontestáveis de excelência em performance. Mas há uma quarta força, talvez não tão conhecida, que merece uma atenção especial, a Baldwin-Motion de Long Island, Nova York.

Concessionária Baldwin, 1969.

A parceria, que durou de 1967 a 1974, entre a tradicional concessionária Chevrolet Baldwin e empresa de produtos de performance Motion resultou no aparecimento de carros tão incríveis quanto um Ford Mustang Shelby ou um Dodge Dart GSS. Exemplos? A concessionária oferecia Chevy Novas, Camaros, Byscanes, Corvettes e Chevelles com motores Big Block de 427 cilindradas cúbicas (7.0L) e 450 hp. Não satisfeito? Você poderia pedir o pacote Phase III, que além do 427, tinha como opção o 454 (7.4L)  com mais de 500 hp.

A revista Cars usou apenas um adjetivo para descrever esse Camaro 1969: Ultrajante.

A confiança em seus projetos era tanta que Joel Rosen, co-fundador, colocava uma inscrição nos carros que garantia a performance no 1/4 de milha ou o dinheiro de volta. “Acreditamos tanto em nossos Supercars Phase III que garantimos eles vão virar pelo menos 193 km/h em 11,50 segundo ou melhor com um piloto M/P – em uma pista sancionada pela  AHRA ou NHRA. Os Supercars Phase III são completamente legais para uso comum, máquinas confiáveis ​​que executarão estes tempos fora das ruas”, afirmava Rosen. E não houve uma devolução sequer.

O Nova 1969 acima também seguia o lema do 1/4 de milha em 11 segundos a 193 km/h ou seu dinheiro de volta. Não houve uma única devolução.

De 1967 a 1974, centenas de Baldwin-Motion e carros ultra-especiais da marca de alto desempenho foram construídos para entregas nos EUA e exportação. Registros revelam que os carros foram enviados para clientes na Suíça, Alemanha, Noruega, República Dominicana, Haiti, Jamaica, Porto Rico, Irã, Kuwait, Líbano e Arábia Saudita, além de entregas no Havaí, Canadá e México. Bem que o Silivo Santos, notório fã de carrões yankees poderia ter trazido um.

Uma das 10 unidades do Corvette GT.

O mais valioso Baldwin-Motion são os especiais Phase III Camaros e Corvettes GT 1969. Um total de cerca de dez Corvettes GT (além do protótipo mostrado no 1969 New York Auto Show) foram construídos entre 1969 e 1971. Alguns raros veículos Baldwin-Motion foram construídos sob medida para acomodar os gigantescos V8 Big Block de 482 centímetros cúbicos (7.8 L !!!), com potência de mais de 500 hp. Um pequeno número de Camaros  Z/30 de Small Block foram construídos para os entusiastas de carros esportivos. Ao contrário de algumas concessionárias Chevrolet na época, como a Yenko, a Baldwin-Motion nunca colocou seus emblemas em um Camaro ou Chevelle COPO 427.

Capa do Catálogo: Diversão garantida pros compradores.

A festa acabou em 1974, culminando com a famigerada crise do petróleo do ano anterior e as sanções EPA (Enviromental Protection Agency) direcionadas a Motion, por produzir Chevy Vegas com motores V8. Se continuasse os produzindo, a Motion teria que pagar US$ 50.000 por unidade construída. Isso mudou a natureza dos negócios, fazendo com que a empresa produzisse carros apensa sob encomenda e para uso nas pistas ou exportação. Para mais fotos dessas incríveis máquinas, acesse o álbum na nossa Página no Facebook.

O Indomável Dodge Dart GSS 1968

Já imaginou se nos anos 70, concessionárias aqui no Brasil oferecessem o que o consumidor pedisse em termos de performance? Por exemplo, comprar um Corcel com o V8 302 que só equipavam o Galaxie e o Maverick. Que tal “acomodar” o 318 V8 dos Darts nacionais no Dodginho Polara? Ou ainda, numa concessionária Chevrolet poder adquirir os famosos “Chepalas” (Chevettes com motor de Opala), mas com a garantia de fábrica?

A lógica desse meu devaneio histórico foi a realidade da concessionária Chrysler mais ousada que já existiu, a Grand Spaulding de Chicago, liderada por Mr. Norm. A idéia foi bem simples, colocar o maior motor no menor e mais leve carro oferecido pela Chrysler americana em  1968. Isso significou adaptar o gigantesco V8 de 440 polegadas cúbicas (7.2L) e 375 hp no compacto – para realidade estadunidense da época – Dodge Dart.

Com o sinal verde da montadora, Mr. Norm construiu 48 unidades do modelo, número suficiente para homologar sua participação nas provas de arrancada. Visualmente, você não desconfia de que está diante de um carro de 12 segundos no quarto de milha, em que pese as faixas idênticas ao da versão GTS. Se você for procurar nos emblemas, também será ludibriado. Os distintivos mostram o “383” de um motor “menor” que equipava a versão GTS. Um “S” em vermelho substitui o “T”, dando o a origem da sigla GSS (Grand Sapulding Sport).

"Vai achando que é 383".

Ao conhecer mais sobre os detalhes mecãnicos do Dodge Dart GSS, você percebe que se trata de um lobo em pele de cordeiro ou melhor, um monstro das pistas de arrancada mascarado como carro de família. A começar pela adaptação do 440 em seu cofre, que fez com que os coletores interferissem no esterçamento das rodas. Sendo assim, se você era um dos 48 orgulhosos donos da máquina, precisaria pensar que caminho iria fazer pra chegar ao seu destino porque, contornar curvas fechadas, era impossível.

Os enormes coletores se espremem para chegar ao assoalho.

Difícil também é pará-lo, pois não há freios à disco nessa versão, nem nas rodas dianteiras. Outra facilidade, já abundante naquela época nos Estados Unidos e ausente nessa versão, é a direção hidráulica. Ou seja, ele não vira e, quando vira, você terá a impressão de estar abrindo uma escotilha de um submarino náufrago. Se precisar frear, será necessária a mesma distância de um trem de carga para chegar a imobilidade. Mas você se importaria com detalhes tão pequenos? Eu não.

Todo conforto e "segurança" da década mais selvagem do século XX.

Comercializado na época por pouco mais de US$ 3 mil, hoje é avaliado em US$ 200 mil, pois, das 48 unidades produzidas, só se tem notícia de 12 sobreviventes. Pros fãs da montadora da antiga estrela de cinco pontas sempre foi e será assim, aos extremos. É “Mopar or No Car”.

Uma Boa e Uma Má Notícia

Concessionária Mr. Norm em Chicago, 1969: Mandem estes pra cá!

Promoção: Na compra de um Challenger e um Charger, ganhe um Super Bee!

A boa notícia é que acabo de ver no blog Museu do Dodge que a montadora irá importar oficialmente o Challenger e o Charger. A má notícia é ela chegou com 40 anos de atraso.